Corona Virus kills Aldir Blanc in Rio.

Corona Vírus mata Aldir Blanc no Rio – um dos maiores letristas brasileiros. Não há palavras para substituir sua vida e suas próprias palavras…”O Brazil não conhece o Brasil. O Brazil está matando o Brasil” . O Brasil literalmente “De frente pro crime”.

Corona Virus kills Aldir Blanc in Rio – one of Brazil’s greatest lyricists… No words to replace his life and his own words: “Brazil is killing Brasil. From Brazil S.O.S to Brasil.” Brazil literally facing the crime.

Song: De Frente pro Crime by João Bosco e Aldir Blanc.

Recorded at Adelaide Fringe Festival 2 March 2020
Copacabana & All that Samba Concert – Juliana Areias & Marvio Ciribelli

Featuring
Juliana Areias – voice
Márvio Ciribelli – Keys
Mulish Piochaud – Bass
Josh Baldwin – Drums
Flavio Peres – drums
Production by Brendan Fitzgerald -Emotion Productions

http://www.julianaareias.com

Brazil does not deserves Brazil. Bye Bye Aldir. Bye Bye Brazil…

“O Brasil vai se despedindo aos poucos. Mataram a democracia, a bandeira, o hino, os símbolos nacionais e, agora, com o auxílio inestimável do coronavírus, vão eliminando o povo.

Não é preciso dizer quem é o sujeito dessas ações. Você sabe, eu sei, todos sabem.

Quando Aldir Blanc foi pego pelo coronavírus e precisou da solidariedade de amigos para ser internado em uma UTI, eu tive medo. ‘Aldir, não’, pensava eu, na solidão cidadã que se alastrou por este território outrora denominado país.

Aldir, o maior letrista brasileiro – o gentílico se aplica a ele com singela delicadeza -, dono de mais de 500 canções em parcerias com os maiores melodistas desta terra, vivia uma vida franciscana para a monumentalidade de direitos autorais a que teria direito. O autor de “O Bêbado e a Equilibrista” não tinha plano de saúde.

Foi através do apelo de sua filha Isabel que uma rede de amigos se uniu para prestar solidariedade – em meio ao caos sanitário que massacra o Brasil -, agilizando a transferência do compositor para uma UTI.

Foi um dos gestos mais bonitos de carinho que já testemunhei. Ali, pôde-se ver um Brasil que ainda não acabou completamente – e o quanto Aldir Blanc e a família Blanc são amados por quem sabe reconhecer a luta pela democracia, pela arte e pela liberdade.

O drama da família Blanc é o drama de todos nós brasileiros, órfãos de país, órfãos de democracia, órfãos de memória. A esposa de Aldir, Mari, está internada com o coronavírus neste momento. Não haverá despedidas.

Qual dor pode ser maior do que essa?

Eu respondo: a dor de passar por esta catástrofe sanitária – revestida de desumano isolamento afetivo – e ainda ser massacrado todos os dias por um genocida que mata, debocha, provoca e mente.

Quem ama a arte, a democracia e a vida humana está, neste momento, despedaçado pelo volume colossal de horrores promovido pelo Estado brasileiro.

Aos poucos, o Brasil – aquele Brasil que um dia foi imaginado e experimentado por todos nós – vai nos deixando em definitivo, sob a perplexidade de uma sociedade que aparentemente desaprendeu a reagir.

Eu choro a morte de Aldir Blanc com toda a dor institucional que dilacera meu coração. Para mim, não morre apenas um dos maiores compositores da história deste Brasil em extinção, mas um ser humano adorável, pai, marido e amigo querido daqueles que tiveram o privilégio de cruzar o seu caminho.

O Brasil não merece o Brasil. O Brasil está matando o Brasil.

A morte de Aldir não é apenas a morte de Aldir: é um aviso para que saiamos desse imobilismo chocante e confrontemos aqueles que nos matam todos os dias, através do ódio e da política da vingança.

Esse Brasil que vai se despedindo não irá mais voltar. Moraes Moreira, Rubem Fonseca, Aldir Blanc vão levando consigo parte das nossas identidades. A responsabilidade, agora, é construir um outro Brasil, igualmente forte, pujante e pleno de cultura e ousadia – mas inexoravelmente novo e distinto.

Este Brasil que se despede sequer é mencionado por este governo que nos assaltou e tenta nos arrancar o futuro todos os dias. Eles ignoram e detestam o Brasil democrático que superou a ditadura sangrenta com as músicas de Aldir Blanc. É uma sensação terrível de desterro, abandono e violência.

A morte de Aldir nos arremessa nessa realidade dramática que se confunde com a imensa dor pela perda de sua vida.

Ouçamos a obra de Aldir. Leiamos suas crônicas. Saudemos seu legado como o registro do melhor Brasil de todos os tempos, o Brasil que esmagou militares golpistas com arte e esperança equilibrista.

E que transformemos seu legado em energia política e artística para virar esse jogo mais uma vez. Ele iria gostar disso.”

Gustavo Conde

luto #aldirblanc #coronavirus #covid_19 #brazil #joaobosco #defrenteparaocrime #irreplaceable #obebadoeaequilibrista #guinga #cataventoegirassol #querelasdobrasil #rip #lostlives #death #culturematters #culturabrasileira #musicabrasileira #brasil #brasilidade #tristeza #perda #crime #bolsonaro #bolsonaroassassino #ficaemcasa #stayhome